Press "Enter" to skip to content

Cristão é morto por parentes muçulmanos após publicar sobre sua fé no Facebook

Um cristão convertido no Egito foi morto por sua família muçulmana depois que ele confirmou publicamente sua nova fé em um post no Facebook, de acordo com o grupo de defesa de perseguições International Christian Concern (ICC).

A organização sem fins lucrativos com sede nos EUA informou  na quarta-feira passada que Hussein Mohammed, que preferia ser chamado por seu nome batismal George, foi morto em 6 de outubro depois de publicar várias fotos em sua conta do Facebook, confirmando sua fé cristã. 

A família de George soube da conversão dele antes das postagens serem feitas, e seu tio apresentou queixas na Diretoria de Segurança. No entanto, a publicação no Facebook foi um “reconhecimento público de sua conversão”, observa a ICC. Ele incluía a foto de uma tatuagem cruzada que George usava no pulso, uma prática comum dos cristãos coptas ortodoxos egípcios.

O assassinato ocorre quando o Egito é o 16º pior país do mundo em perseguição cristã, de acordo com a lista mundial da perseguição da Portas Abertas USA em 2019 . Os cristãos representam cerca de 10% da população do país de maioria muçulmana.

No Egito, os muçulmanos que se convertem ao cristianismo são vistos pela comunidade islâmica como apóstatas, o que significa que a descoberta pública de sua conversão os torna vulneráveis ​​a serem vítimas de uma matança de honra.

De acordo com a Rede de conscientização sobre violência com base na honra, os assassinatos deste tipo estão “em ascensão” em todo o Egito. Enquanto a prática é contrária à lei egípcia, os juízes costumam ver esses casos com clemência.

“A cultura islâmica alimenta a discriminação religiosa no Egito e cria um ambiente que faz com que o Estado relute em respeitar e fazer valer os direitos fundamentais dos cristãos”, diz a Portas Abertas.

“Embora o presidente el-Sisi tenha expressado publicamente seu compromisso com a proteção dos cristãos, as ações de seu governo e os ataques continuados de grupos extremistas por parte de cristãos e indivíduos perseguem cristãos e igrejas, deixando os cristãos se sentindo inseguros e extremamente cautelosos”, acrescentou a organização.

Os cristãos do Egito também são suscetíveis às duras leis de blasfêmia do país. De acordo com a Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos, a maioria das leis de blasfêmia é “vagamente redigida”, mas carrega “sanções indevidamente severas para os infratores”.

Aplicativos de mídia social como o Facebook são a mais recente ferramenta usada por extremistas islâmicos para acusar os cristãos de “blasfêmia”, de acordo com o Portas Abertas.

Em julho, foi relatado que um cristão de 26 anos chamado Fady Youssef Todary notou que alguém havia invadido sua conta do Facebook e postado uma mensagem blasfema. Mais tarde, depois de perceber o que havia acontecido, ele postou um vídeo na plataforma explicando aos seus seguidores que não foi ele quem produziu, nem publicou o conteúdo.

No entanto, uma multidão enfurecida de cerca de 100 pessoas já havia formado e destruído tudo dentro da casa da família de Todary, em Ashnin El-Nasara, uma vila em Minya, ao sul do Cairo. Os pais de Fady foram forçados a fugir da casa de seu filho e buscar refúgio na residência de um parente.

Poucos dias depois, Todary foi preso, junto com seu irmão de 19 anos e dois tios. Desde então, ele foi libertado, mas aguarda julgamento por blasfêmia.

A Portas Abertas alerta que o que aconteceu em Ashnin El-Nasara não é um incidente isolado e disse que a tendência emergente é uma “verdadeira causa de preocupação”.

Em dezembro de 2018, um tribunal egípcio condenou um cristão copta a três anos de prisão, depois que ele foi considerado culpado por “insultar o Islã em primeiro grau” em uma publicação no Facebook.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *