Press "Enter" to skip to content

Igreja alemã desafia o Vaticano com debate sobre celibato, ordenação das mulheres e homossexualidade

Ana Carbajosa Vicente e Daniel Verdú
El País – Roma/Berlim

As tensões entre os bispos alemães e o Vaticano ameaçam causar uma grave crise na Igreja Católica. A Conferência Episcopal decidiu levar adiante o incipiente debate reformista, nascido no calor da investigação sobre abusos sexuais na Alemanha, apesar da oposição vaticana.

No final de semana passado, os bispos se reuniram com representantes de organizações católicas para preparar o chamado “caminho sinodal”, um fórum em que se prevê o debate de assuntos como o papel da mulher na Igreja, a homossexualidade e o celibato.

O Vaticano alertou que tais questões cabem exclusivamente à Igreja universal e não a uma espécie de sínodo nacional. Mas a Alemanha, apesar das advertências por escrito, seguirá em frente.

O presidente de sua Conferência Episcopal, Reinhard Marx, membro do reduzido conselho que assessora o Papa nas reformas da Igreja e homem teoricamente próximo a Francisco, viajará nessa semana a Roma para defender o diálogo reformista.

Mas os problemas vêm de longe e a necessidade da Alemanha de imprimir maior velocidade à transformação e abertura da Igreja começa a abrir fendas importantes entre a Santa Sé e a Igreja mais rica do mundo.

Uma investigação encarregada pela Conferência Episcopal alemã (DBK) documentou há um ano 3.677 casos de abusos sexuais cometidos por membros da Igreja a menores.

Desde então cresce a pressão para debater e reformar as estruturas que permitiram esses abusos, a questão do celibato e o papel da mulher na hierarquia eclesiástica, por parte de bases que veem como sua Igreja perde membros rapidamente. Marx, um homem direto e brilhante, lidera essa espécie de corrente de oposição progressista.

Os bispos alemães se reuniram no final de semana passado com representantes do Comitê Central dos Católicos Alemães (ZdK, na sigla em alemão), a organização que representa 140 organizações, assim como personalidades da política e do mundo acadêmico.

Após a conferência, os bispos indicaram em um comunicado que escreveram uma reposta a uma carta enviada pelo Papa em junho, em que afirmam “ter em mente a unidade de toda a Igreja, assim como a situação na região”.

Em junho, o papa Francisco escreveu uma carta dirigida aos fiéis alemães, na qual disse “compartilhar a preocupação sobre o futuro da Igreja na Alemanha” e constatou “a erosão da fé”. Mas também alertou sobre o perigo de se colocar em andamento processos que podem afastar a Igreja alemã.

“A Igreja universal vive em e das Igrejas particulares, assim como as Igrejas particulares vivem e florescem em e da Igreja universal, e se encontrarem-se separadas do corpo eclesial por inteiro, se enfraquecem, secam e morrem”. Por isso, alguns setores da Santa Sé consideram que o embate está sendo dirigido diretamente a Francisco.

“A investigação dos abusos demonstrou que ocorreram crimes individuais, mas também causas estruturais dentro da Igreja que os permitiram”, diz Theodor Nolzenius, porta-voz do ZdK. O debate se divide em quatro grandes grupos de trabalho, sobre o poder e a participação na Igreja, o estilo de vida dos padres, a moral sexual e o papel das mulheres na instituição.

Nolzenius diz que o caminho sinodal lançará somente recomendações e que Roma não pode se opor a um simples diálogo, mas reconhece que o processo “aumentará a pressão” tendo em vista um processo de renovação, em um momento em que a Igreja alemã perdeu mais de 200.000 membros no ano passado.

Marx recebeu no começo de setembro uma carta do chefe para a Congregação dos Bispos, Marc Ouellet, que incluía uma análise jurídica do rascunho dos estatutos do caminho sinodal fechado em junho. A missiva considerava a terceira via aberta pelo caminho sinodal contrária ao direito canônico.

No Vaticano, de fato, receberam com espanto e certo mal humor a ideia original e as explicações posteriores. A Santa Sé continua considerando que o problema não foi corrigido, tal como afirmou a Conferência Episcopal dizendo que a análise se referia a uma versão antiga do texto e que sofreu modificações desde então.

Perguntada pelo EL PAÍS sobre as mudanças concretas as que se refere, a Conferência Episcopal não quer por enquanto dar detalhes do processo, mas a imprensa alemã especula com mudanças no sistema de votação do fórum.

“O erro principal é que estão lidando em nível nacional com uma questão que afeta a Igreja universal. São 70 bispos, e na Igreja há 70.000. Estão forçando, atribuindo-se uma série de competências que não têm. É um assunto que afeta diretamente a unidade da fé. Não é verdade que isso mudou no novo documento”, diz um membro do alto escalão do Vaticano.

Adaptar-se ao mundo atual

No entorno do cardeal Marx considera-se que a velocidade com a qual as mudanças ocorrem não corresponde às necessidades da Igreja para se adaptar ao mundo atual.

Os atritos com a Santa Sé, nesse sentido, não são novos. No ano passado a primeira bomba explodiu. Um grupo de bispos, apoiado pelo presidente da Conferência Episcopal, o cardeal Marx, abriu o caminho da intercomunicação com um documento intitulado Caminhar com Cristo sobre a pista da Unidade: Casamentos interconfessionais e participação comum na Eucaristia, um subsídio pastoral da Conferência Episcopal Alemã. Ou seja, se colocou que os companheiros e companheiras protestantes de católicos que os acompanhassem à missa também pudessem tomar a comunhão. Um passo a mais na tentativa da Igreja alemã de facilitar a convivência entre religiões e de abrir a sociedade atual para não perder a sensibilidade social.

A proposta, que chegou 500 anos depois do repúdio de Martinho Lutero à teologia sacramental católica, causou um terremoto em alguns setores da Igreja. O chefe da Congregação para a Doutrina da Fé, o espanhol Luis Ladaria, desautorizou seu conteúdo. Mas o mal-estar também chegou aos EUA, a única Igreja capaz de rivalizar com a alemã em poderio econômico.

“A proposta alemã atinge o próprio coração da verdade do sacramento da eucaristia, porque por sua própria natureza, a eucaristia é o corpo de Cristo”, criticou o arcebispo da Filadélfia Charles Chaput. Apesar do pedido do Papa para que fosse detida, alguns bispos levaram a iniciativa adiante.

Na semana que vem, de 23 a 26 de setembro, o “caminho sinodal” deverá receber um exame formal por parte dos bispos na reunião de conferência episcopal de Fulda, no centro da Alemanha. Mais tarde, no final de novembro, a ZdK deverá aprová-lo.

Diversas fontes consultadas dizem que, se não ocorrerem mudanças nos estatutos acordados, o processo será aprovado sem problemas.

Fonte: El Pais

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *