Press "Enter" to skip to content

Uma pessoa se suicida no mundo a cada 40 segundos, diz relatório da OMS

Quase 800 mil pessoas cometem suicídio a cada ano, número maior do que o de vítimas de guerra, homicídio ou câncer de mama, segundo um novo relatório da Organização Mundial da Saúde publicado nesta segunda-feira (9). 

De acordo com a OMS, a taxa global de suicídios caiu 10% entre 2010 e 2016, embora o número de mortes tenha permanecido estável por conta do crescimento da população global.

“Apesar do progresso, uma pessoa ainda morre a cada 40 segundos por suicídio”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em comunicado. “Toda morte é uma tragédia para a família, amigos e colegas”.

A taxa global de suicídios em 2016 (o último ano para o qual havia dados disponíveis) ficou em 10,5 por 100 mil pessoas. No mundo, as mortes de jovens por suicídio só perdem para aquelas no trânsito; em seguida, vêm aquelas por violência.

As taxas, porém, variaram amplamente entre países e regiões, com uma taxa de suicídio relativamente baixa em alguns lugares como o Chile (3,8 para cada 100 mil) e alta em outros, como a Guiana, que lidera o ranking com uma taxa de mais de 30 por 100 mil.

A maioria dos suicídios ocorre em países de baixa e média renda, onde vive a maioria da população global, mas as taxas são mais altas nos países mais ricos, segundo o relatório da OMS.

Depois da Guiana, Lesoto registrou a segunda maior taxa do mundo, com 28,9 suicídios por 100 mil pessoas.

Também figuram no topo da lista Rússia, Lituânia, Suriname, Costa do Marfim, Cazaquistão, Bielorússia, Coreia do Sul, Índia e Japão, além dos Estados Unidos, que registraram 13,7 suicídios por 100 mil pessoas.

No Brasil, essa taxa é de 6,1 a cada 100 mil mil mortes, abaixo da média mundial. Em 2016, houve ao todo 13.467 suicídios. Em todo o mundo, pessoas do sexo masculino têm uma propensão maior a se suicidar do que as do sexo feminino.

Mas se no mundo todo houve uma queda ligeira nos suicídios entre 2010 e 2016, as Américas são a única região que registrou aumento, com uma alta de 6% no período.

“Sabemos que na região das Américas o acesso a armas de fogo é um importante meio de suicídio”, disse Alexandra Fleischmann, da divisão de saúde mental da OMS, em entrevista à imprensa em Genebra.

O declínio geral é explicado pelo fato de que vários países —38 no total— adotaram estratégias de prevenção ao suicídio, afirmou a OMS.

“Suicídios são evitáveis”, disse Ghebreyesus. “Todos os países deveriam incorporar estratégias comprovadas de prevenção de suicídio nos programas nacionais de saúde e educação de maneira sustentável”.

O relatório da OMS também apontou que os países podem reduzir significativamente o número de suicídios limitando o acesso a pesticidas.

No Sri Lanka, as regulamentações e proibições de pesticidas levaram a uma queda de 70% nos suicídios entre 1995 e 2015, resultando em 93.000 vidas salvas, segundo o relatório.

Na Coreia do Sul, a proibição de um herbicida em 2011 e 2012 levou à redução de metade dos suicídios por envenenamento por pesticidas entre 2011 e 2013, disse o documento.

Prevenção

O suicídio é premeditado e os sinais de alerta são visíveis. Mudanças de comportamento e problemas de conduta que se estendem por duas semanas ou mais, preocupação recorrente com a própria morte, falta de esperança, visão negativa sobre si, sua vida e sobre o futuro, são alguns dos indicadores mais recorrentes. 

A ideação suicida também costuma ser comunicada verbalmente, mas nem sempre é levada a sério. Frases como “vou desaparecer”, “vou deixar vocês em paz”, “eu queria poder dormir e nunca mais acordar” e “é inútil tentar fazer algo para mudar, eu só quero sumir” são comuns em casos que antecedem a tentativa de tirar a própria vida. 

Além disso, pessoas com ideias suicidas tendem a se isolar em casa, deixam de atender a ligações e de participar de atividades sociais as quais antes compareciam, além de interagir menos em redes sociais. 

O encontro em Genebra também alertou sobre os perigos de descrições gráficas ou representações de suicídio em filmes e séries, que demonstraram desencadear suicídios imitáveis ​​entre pessoas que lutam com problemas de saúde mental.

Em julho, a Netflix removeu uma cena de suicídio da primeira temporada do seriado “13 Reasons Why“, após preocupação de especialistas em saúde mental que temiam que o suicídio fosse glorificado.

Dois estudos publicados em maio descobriram que o suicídio entre jovens americanos aumentou significativamente nos meses seguintes ao lançamento do popular programa em 2017.

“A pesquisa mostrou ao longo de muitos anos que existem pessoas que imitam, que são vulneráveis”, disse Alexandra Fleischmann, da divisão de saúde mental da OMS .

Como ajudar

No Brasil, o Ministério da Saúde e o CVV (Centro de Valorização da Vida) têm cartilhas e sugestões de como abordar o assunto com pessoas que possam estar cogitando tirar a própria vida e como reagir em casos de urgência. Não julgar os sentimentos comunicados, por exemplo, é essencial para a prevenção. 

Procure um local confortável e calmo para falar com essa pessoa sobre suicídio. “Deixe-a saber que você está lá para ouvir, ouça-a com a mente aberta e ofereça seu apoio”, diz a cartilha. Incentive a busca por ajuda profissional e se ofereça para a acompanhar essa pessoa na consulta. Se a pessoa que você acredita estar em risco mor com você, garanta que ela não tenha acesso a meios para atentar contra sua vida. 

Caso acredite que essa pessoa está em risco iminente de suicídio, não a deixe sozinha. Busque imediatamente o CVV (188) e os serviços de emergência Samu (192).

Se você precisa de ajuda ou conhece alguém que precise, entre em contato:

Serviços de saúde
CAPS e Unidades Básicas de Saúde (Saúde da família, Postos e Centros de Saúde).

Centro de Valorização da Vida – CVV
Ligue: 188 ou acesse o chat online: www.cvv.org.br

Serviços de Emergência
SAMU: 192

Fonte: Folha de São Paulo

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *